Deixe um comentário

II – A VIRADA DA LUMEN GENTIUM

A mudança eclesiológica acionada na Constituição Dogmática Lumen Gentium sobre a Igreja só pode ser entendida dentro da mudança histórica querida pelo Concílio Vaticano II. O novo paradigma da Lumen Gentium está na inserção, deliberadamente trabalhada, da imagem da Igreja como povo de Deus, como comunidade de crentes, em sua igualdade fundamental.

A elaboração deste documento central do Concílio Vaticano II foi marcada por momentos polêmicos. De início, foi rejeitado o esquema apresentado pela comissão preparatória, por parecer por demais assemelhado à eclesiologia que vigorava desde o Concílio de Trento, uma eclesiologia feita a partir da instituição e não a partir da vida, a partir da visibilidade jurídica e não a partir do mistério.

Os bispos do Concílio quiseram que a Igreja manifestasse mais explicitamente seu rosto divino, sua origem trinitária. Foi então elaborado o primeiro capítulo, sobre o mistério da Igreja. Nele são apresentados os seguintes temas: a) as relações da Igreja com cada uma das pessoas divinas; b) a relação da Igreja com o Reino de Deus, do qual ela é apresentada como sinal e instrumento; c) as imagens bíblicas da Igreja; d) a Igreja como Corpo de Cristo; e) a complexidade visível-invisível da Igreja.

É interessante observar que neste primeiro capítulo, em que se busca salientar a origem divina da Igreja, há uma significativa insistência na dimensão histórica da Igreja. O mistério da Igreja nunca é mostrado como algo sobrenatural, distante do mundo, desligado da história, mas sempre em relação íntima com a história. Na lógica da encarnação, a Igreja é uma só realidade complexa, humana e divina, visível e invisível, histórica e mistérica. Chave de leitura para todo este capítulo é a seguinte citação: “(A Igreja) é, por isso, mediante uma não medíocre analogia, comparada ao mistério do Verbo encarnado. Pois como a natureza humana, assumida indissoluvelmente unida a ele, serve ao Verbo divino como órgão vivo de salvação, semelhantemente o organismo social da Igreja serve ao Espírito de Cristo que o vivifica para o aumento do corpo” (LG 8). Vê-se que o mistério é visto dentro e a partir da história, como se pode conferir nos itens a seguir.

Nos números 2 a 4 de Lumen Gentium, a Igreja é apresentada como prefigurada na história do povo de Israel, inaugurada no ministério, na morte e na ressurreição de Jesus de Nazaré, enviada ao mundo pela força do Espírito Santo, sendo por ele hoje e sempre sustentada. Nestes itens, as três pessoas divinas são vistas em sua relação histórica com a vida concreta das pessoas e dos povos.

A relação da Igreja com o Reino (LG 5) tem por fundamento a pregação e o ministério de Jesus de Nazaré. A missão da Igreja deve continuar a missão de Jesus, na caridade, humildade e abnegação, no caminho da cruz.

Tampouco a imagem de Corpo de Cristo é vista em sua sobrenaturalidade mística, mas em sua inserção histórica. Ela é vista como sacramento enquanto e tão-somente está unida a Cristo, sendo este lembrado em sua encarnação histórica. Somos membros do Corpo de Cristo, enquanto “peregrinando ainda na terra, palmilhando em seus vestígios na tribulação e na perseguição, associamo-nos às suas dores como o corpo à Cabeça” (LG 7).

A Igreja deve comunicar Jesus Cristo, perseguido, amigo dos pobres, crucificado. Ela vive entre sombras, manifestando a plena luz (LG 8). Assim como Jesus Cristo foi enviado pelo Pai a evangelizar, também a Igreja tem como razão essencial de sua existência o chamado à salvação do sofredor.

A Igreja é entendida como mistério, não no sentido de fuga da realidade, mas, pelo contrário, como engajamento ainda maior e mais comprometido com a vida do povo. Em outras palavras, só se pode entender o mistério como encarnação de Deus no mundo, sendo a cruz de Jesus a maior prova do amor de Deus e da manifestação do seu poder.

Como se vê, o primeiro capítulo tem um corte profundamente histórico, ainda que seu conteúdo fosse o mistério da Igreja e sua origem divina. Desse modo, o primeiro capítulo prepara e introduz o capítulo central do documento, o capítulo segundo, sobre a Igreja como povo de Deus. É este capítulo segundo, que fala da Igreja como povo de Deus o ponto de partida para a interpretação e a recepção de toda a teologia e eclesiologia conciliar. Povo de Deus foi um tema propositadamente buscado e inserido no documento sobre a eclesiologia. Assim, este conceito de povo de Deus é a luz que serve para ler tanto o primeiro capítulo (o mistério da Igreja) como todos os seguintes, sobre a hierarquia (cap. III), o laicato (cap. IV), a santidade (cap. V), a vida religiosa (cap. VI), a caminhada da Igreja (cap. VII) e a missão de Maria na história da salvação (cap. VIII).

Há em Lumen Gentium uma proposta de mudança histórica no modo de se entender e viver a Igreja. Da imagem da Igreja como sociedade perfeita, em sua dimensão jurídica e institucional, passa-se para a imagem da Igreja como povo de Deus inserido na história.

Pe. Vitor Galdino Feller

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: